Crianças sob a mira da irresponsabilidade – da série Infâncias Roubadas

Ricardo V. Malafaia     22/out/2017                                                                                                                                                                     

criança sob mira

Este artigo é o primeiro da série Infâncias Roubadas, cujo título já fala por si. Nesta série, procuraremos entender quais os motivos que estão levando à perda daquilo que constitui o que há de mais caro a uma criança. Daquilo que é próprio, apenas, de sua idade. Daquilo que é de seu inteiro direito. Daquilo que, se dela tirada, jamais retornará: a sua própria infância!

Se compararmos a realidade em que vivemos hoje com aquela vivida por algumas gerações que nos antecederam, poucas coisas continuam como de fato eram. Uma boa parte das mudanças deu-se de forma positiva, como o avanço da Medicina. Ou como as conquistas sociais a partir da Declaração Universal dos Direitos Humanos. A Lei Maria da Penha, por exemplo, seria impensável antes deste marco. Contudo, nem todas as transformações caminharam na melhor direção!

Aumentos brutais da violência, da corrupção e do desrespeito entre semelhantes são sinais evidentes de que muito de positivo do que se viveu no passado, por diversas razões, foi perdido. Mas, em relação à infância? O que mudou? A criança, nos dias de hoje, está mais protegida do que no passado? Ela é mais respeitada agora do que já foi?

Não precisamos, infelizmente, demorar muito para responder a estas questões. De fato, todos os dias, deparamo-nos com inúmeras imagens impactantes que evidenciam o contrário. Revelam, de forma clara, que as nossas crianças estão sendo roubadas! De forma acelerada! E de diversas maneiras!

mulher-carregando-mundo-costas (1)

Sistematicamente, nossos meninos e meninas estão sendo privados dos seus próprios futuros. Pois suas identidades estão sendo confundidas. Suas inocências estão sendo desfiguradas. Suas autoestimas, minadas. Estão querendo lhes conferir responsabilidades que ainda não lhes cabem. Irracionalmente, há uma obsessão em levá-las ao mundo adulto, muito, mas muito antes da hora!

Neste artigo, Crianças sob a mira da irresponsabilidade, falaremos sobre as várias formas através das quais nossos meninos e meninas estão sendo atingidos. Sim! Eles viraram alvos vivos. E preferenciais! Mas por quê? Por quê? Na verdade, não há resposta pra isso. Não, não para tamanha covardia!

Há dois dias, um adolescente de 13 anos matou dois colegas em sala de aula. Segundo o próprio menino que atirou, inspirou-se nos atentados de Realengo e de Columbine. Embora, nos Estados Unidos, as armas sejam vendidas sem o menor pudor, tanto lá como aqui, o bullying é combustível necessário para este tipo de tragédia.

E por que crianças ou jovens praticam bullying? Sejam quais forem os motivos, frustração, raiva ou medo, todos passam pelo emocional. Vejamos o que o pai de um dos adolescentes mortos disse: “Está faltando à nossa sociedade ensinar à criança hoje o valor do próximo, o valor da vida. Hoje, temos órfãos de pais vivos. Os pais não dão mais atenção aos filhos dentro de casa. A cidade vai se transformando num lugar de filhos fracos emocionalmente”.

De dentro de sua imensurável tristeza, uma lucidez cortante. A sociedade não dá mais atenção às suas crianças. Elas, de fato, são “órfãos de pais vivos”. Triste, muito triste. Mas é real! A criança sem afeto e atenção, hoje, será o jovem despreparado emocionalmente amanhã. É a sociedade colocando seus filhos sob a mira da sua irresponsabilidade e inconsequência!

pobreza em preto e branco

Em 2015, segundo o IBGE, éramos 205 milhões de brasileiros. Deste total, cerca de 17 milhões eram formados por crianças até 14 anos que viviam na pobreza. E aproximadamente 6 milhões de crianças na faixa da extrema pobreza. No total, 23 milhões de crianças pobres ou muito pobres. Em pleno século XXI. Uma vergonha! São crianças sob a mira da irresponsabilidade!

Outro estudo mostra que 29 crianças e adolescentes são assassinados diariamente no país. Isso quer dizer que hoje 29 morrerão. Amanhã, mais 29. E depois, mais 29. E a cada dia que acordarmos, com um belo sol, ao lado de nossos familiares, mais 29 crianças e adolescentes serão assassinados. Uma sala inteira de aula! Como dado estatístico, ficamos no vergonhoso 3º lugar entre os países que mais matam jovens e crianças. Nós não podemos aceitar mais isso. Não podemos! É inaceitável! Nossas crianças sob a mira da irresponsabilidade e da crueldade!

Nesta semana, foram presas mais de uma centena de pessoas ligadas à pedofilia. Compartilhavam fotos pela internet, inclusive vídeos de bebês sendo molestados. E até cartilhas que ensinavam como segurar uma criança. Possivelmente, seja o nível mais baixo em que um ser humano (?) pode chegar! Não dá para imaginar nada mais rasteiro. Nossos bebês e crianças sob a mira da barbárie!

Num próximo artigo, o qual fará parte desta série, falaremos mais detalhadamente sobre a polêmica que envolveu uma criança ao apalpar um artista nu, durante a sua apresentação no MAM de São Paulo, inclusive sobre a posição da maioria dos artistas e de alguns veículos de comunicação. Mas, não podemos deixar de ressaltar o quanto de paradoxal representou aquela cena. Se o melhor que há para uma criança é o mergulho maravilhoso na sua própria infância, o que ela ganhou tendo contato físico com um homem estranho nu? Crianças sob a mira da total inconsequência!

desvio merenda (1)

No ano passado, a CGU revelou que, desde 2003, foram desviados 2 bilhões de reais destinados à merenda e ao transporte escolar em diversos municípios do país. Não estamos falando de 2 milhões. Foram 2 bilhões desviados! Que espécie de monstros pode participar deste tipo de crime? Revoltante! Um nojo! Nossas crianças sob a mira da maldade e da absoluta falta de caráter!

Em paralelo, 250.000 crianças, hoje, continuam sendo exploradas sexualmente no Brasil. Devido a vários fatores, principalmente por causa da situação socioeconômica e da falta de assistência social e psicológica, elas acabam se tornando presa fácil, inclusive, para o turismo sexual. Uma das maiores vergonhas para o nosso país. São apenas crianças sob a mira da frieza de todos nós!

Embora tenha havido uma melhora em relação aos dez anos anteriores, segundo o MEC, em 2015, a taxa de cobertura em creche no país era de apenas 30%. Isso quer dizer que, para cada 100 crianças pequenas, somente 30 encontravam vagas em creches. Como as pessoas precisam trabalhar, e em função do crescente número de famílias chefiadas por mulheres, centenas de milhares de crianças pequenas ficam sozinhas em casa. Acidentando-se, perdendo-se, sendo raptadas, estupradas, e até acorrentadas. Nossas pequenas crianças sob a mira da nossa indiferença!

Segundo números recentes da PNAD, de cada 100 alunos que ingressam no ensino fundamental, apenas 72 concluem. E, somente 54 terminam o ensino médio. Isto sem mencionar a baixa qualidade do ensino. Então, quais as chances de futuro que estas crianças e jovens poderão ter com esse nível de educação? O futuro destas crianças e jovens sob a mira da escuridão!

trabalho infantil rural

Em relação ao trabalho infantil, também segundo levantamento do IBGE de 2015, das crianças entre 5 e 9 anos que moram em áreas agrícolas, 85% desenvolvem algum tipo de trabalho. Isso mesmo, 85%. Já nas áreas urbanas, 14%. Daquelas que estão entre 10 e 14 anos e que moram no campo, 52% trabalham. E nos centros, 47%. Nossas crianças sob a mira do total descaso!

A ideologia ou identidade de gêneros, que também será tema de um próximo artigo, tem levantado um debate intenso nas redes sociais. Sempre se soube, ao longo das últimas décadas, da luta justíssima contra a homofobia. Inclusive, o atual Papa já deixou, mais de uma vez, de forma bastante clara a necessidade de se acolher e respeitar a orientação sexual de qualquer ser humano. Contudo, na verdade, esse novo posicionamento de gêneros quer mais do que o acolhimento e o respeito. Então, qual a sua verdadeira intenção?

Seu significado, aparentemente, passa pela ideia de que as pessoas nascem iguais, sendo que a definição de masculino e feminino não passa de um produto histórico-cultural mantido através dos séculos. Seus defensores ainda alegam que o projeto de discutir nas escolas visa diminuir o preconceito e promover uma futura sociedade com igualdade entre as pessoas.

familia despedaçando

Ora, se a finalidade é diminuir o preconceito e promover uma sociedade mais igualitária, a saída não seria ensinar e incentivar, dentro do ambiente escolar, a tolerância racial, religiosa e de orientação sexual? Este não seria o caminho correto? Por que, então, confundir um menino afirmando que ele não é mais um menino, e que deve também brincar de boneca? E da mesma forma, no caso de menina? Não faz sentido! Não é justo com as nossas crianças. Meninos e meninas sob a mira da insensibilidade! E da inconsequência!

Deixando claro! A sociedade brasileira, cuja maioria esmagadora não concorda com essa ideologia, ou identidade, não é, de forma alguma, obrigada a aceitá-la! E não aceitará.

Voltando à declaração dada pelo pai de um dos meninos mortos pelo seu colega, ele ainda afirmou de maneira muito oportuna: “Quero que a escola volte, ela tem condições para isso. Está há 23 anos ensinando naquela região. Mas, a família tem de ser a base. A escola é o conteúdo didático. A família, o ensinamento”!

É muito difícil entender os motivos pelos quais as nossas crianças viraram alvos por parte de tantas forças distintas. Quantas vezes assistimos, na televisão, programas que apresentam a vida selvagem? Vemos, por exemplo, leões caçando, preferencialmente, filhotes de outras espécies. E por quê? Porque são presas mais fáceis. Indefesas como as nossas crianças!

Mulher-lavando-as-mãos (1)

O maior dos crimes é a omissão! E não podemos ser omissos. Listamos aqui uma série de ataques que estão atingindo os nossos meninos e meninas, todos os dias. Poncio Pilatos é amaldiçoado há 2.000 anos porque lavou as suas mãos. Não cometamos o mesmo erro!

Se quisermos construir uma sociedade mais justa, mais tolerante, mais ética, mais humana e mais sadia, precisaremos proteger os nossos pequenos. Afinal, eles são o nosso futuro. O futuro do país que amamos! Crianças precisam de infância. De uma infância lúdica, segura, ingênua e inspiradora. Elas contam conosco! Definitivamente, não podemos faltar!

 

SE DESEJAR:

> Que a reflexão se torne uma ação, compartilhe clicando, abaixo, nos botões do WhatsApp ou no do Facebook.

> Deixe o seu comentário. A sua opinião faz toda a diferença.

> A sociedade conhecerá a sua força na internet. Exerce-a!

14 comentários

  1. Concordo plenamente com o seu texto, que é muito bem elaborado e esclarecedor, e combate certos modismos atuais que distorcem o dente sobre a igualdade de gêneros.

  2. Perfeita abordagem, Ricardo! Temos, realmenre, que fazer a nossa parte, tendo consciência de nossa responsabilidade para estruturar nossos filhos, contribuindo para melhorar a sociedade em que vivemos. Parabéns!

  3. Isso mesmo Geórgia. Fazer o nosso dever de casa junto aos nossos filhos e netos é fundamental. Família é a base de tudo. E na sequência, agirmos como sociedade organizada!

  4. Obrigado Graça. A sociedade e a família devem agir de forma ativa. Já o nosso Estado só age de forma reativa. Por isso, a necessidade de ser pressionado incansavelmente por nós!

  5. Como pode o Brasil ser o país do futuro se as nossas crianças estão sendo tratadas assim? Se os exemplos que essas crianças têm , na maioria das vezes, é o pior possível? Se os direitos básicos delas são negados todos os dias? Eu tento acreditar, que se cada família fizer a sua parte, quem sabe conseguiremos mudar esse futuro obscuro?! Vamos tentar, cada pequena ação pode fazer diferença.

  6. Parabéns, Ricardo!
    Mais um excelente texto!
    E dessa vez, relatando os problemas que vêm acontecendo com as nossas amadas crianças.
    Realmente, esses pequenos seres estão tendo suas infâncias roubadas.
    Precisam imensamente da proteção do Estado, da sociedade e primordialmente da família!

  7. Uma realidade que pode ser atenuada nos próximos anos através da força da sociedade. Primeiramente se conscientizando sobre o seu poder. E em seguida, fazendo valer este mesmo poder. E para estes dois passos se concretizarem, a internet é fundamental. Obrigado pelas palavras Beth!

  8. Parabéns Ricardo por escreveres tão sabiamente sobre nossas crianças e o momento tão complicado e por que não dizer, trágico, que elas estão vivendo.
    Infelizmente essa é a realidade.

  9. Muito bem colocado, Verônica. Esse é o caminho! Mas além de exigirmos nossos direitos, temos que atuar em conjunto, como sociedade. A nossa pressão sobre os governantes tem que ser intensificada. O desafio é enorme. E a internet é um excelente caminho para a nossa conscientização. O egoísmo e o comodismo ainda são mais danosos à cidadania do que os governos ruins. Parabéns pelo seu comentário!

  10. A nossa sociedade está doente e carente de uma nova reformulação de princípios e valores primários e simples de amor compaixão e solidariedade. Temos que retornar à terra, a família e a escola como pilares da nossa existência e renascimento. O princípio da isonomia é tratar igualmente os iguais e desigualmente os desiguais , pois a verdadeira identidade de um povo consiste no reconhecimento de suas origens, igualdades , desigualdades ,respeito e orgulho de sua história. Nesse sentido, penso que nossas crianças merecem viver um mundo de alegria, sonhos e cores vivas e exuberantes que na atualidade falta para nós, os adultos, força, esperança e iniciativa. Mas temos que fazer a nossa parte, cumprindo sempre com nossas obrigações e exigindo nossos direitos de cidadãos . Dando bons exemplos , estaremos formando nossas crianças no caminho do bem.

  11. Obrigado Cláudia! Tem razão. E para os nossos governos agirem na direção que desejamos, precisam ser pressionados por nós, sociedade. Eles são assim. É o que temos. Toda pressão que fizermos, ainda será pouca. Mas fundamental!

  12. As soluções passam por educação de qualidade para todos, informação e acesso sobre controle da natalidade e, certeza da punição para os irresponsáveis.
    Ótimo texto.

Deixe o seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s