O poder troca de mãos!

Ricardo V. Malafaia     07/abril/2019

poder nas maos 1

Desde sempre escutamos que Deus é brasileiro, pois aqui não sofremos com furacões, nem terremotos, nem erupções vulcânicas. Mas se de repente o próprio Criador colocasse na mesa uma eventual permuta? A partir de agora estes desastres naturais fariam parte de nossa realidade, mas em contrapartida reduzir-se-iam de forma significativa as desigualdades sociais e o poder das oligarquias. Diante da proposta, muito provavelmente a população não hesitaria em aceitá-la. Afinal, com a troca, brasileiros morreriam infinitamente menos!

De fato, após juntarmos todos os debates que são travados na política e na mídia e os colocarmos no liquidificador, precisaremos de uma peneira muita fina para selecionar aqueles com alguma relevância. E dentre eles, o que mais se destacará é o fato de que as Capitanias Hereditárias continuam a todo vapor. Este é o pai, a mãe, o avô e o senhor de quase todos os nossos problemas!

Se olharmos para a nossa História, todos os nossos governos, da Esquerda à Direita, foram “unha e carne” com as estruturas oligárquicas. Afinal, não há um setor da economia que não seja dominada por oligarquias, onde a riqueza do país realmente circula. Como afirmou Paulo Guedes recentemente, o Brasil sempre foi o país dos oligopólios.

Mas tem cheiro de mudança no ar! Enganam-se contudo aqueles que acham que Bolsonaro é o agente desta mudança. Ele apenas compõe um dos seus efeitos. O processo, de fato, começou a despontar nas gigantescas passeatas de 2013, passando pela pressão pelo Impeachment da Dilma, pelo maciço apoio à Lava Jato e pela eleição de um governo anti-establishment.

poder nas mãos 2

Mas para desespero destas oligarquias, as mudanças não pararam por aí. A pressão popular continua com toda a intensidade. A pouco, ela impediu que Renan novamente se elegesse presidente do Senado. Já forçou o governo a substituir alguns de seus membros. Já fez, segundo pesquisas, despencar a audiência da Rede Globo neste primeiro trimestre. E agora, através da pressão de seus próprios eleitores, consegue que o grupo Folha caminhe sob uma nova direção.

A sociedade já percebeu o tamanho de sua força. E aprendeu, com alguma maestria, a usar as redes sociais. Não há mais uma semana sequer que alguma autoridade não venha a público retratar-se de algum infeliz comentário que eventualmente tenha proferido. Há 500 anos, a fiscalização sempre teve um único sentido, de cima para baixo. A partir de agora, esse sentido inverteu-se. O dono da bola agora é o povo!

Se Executivo e Legislativo estão com a sociedade “fungando” em seus pescoços, o Judiciário, mais precisamente o STF, tenta se movimentar como ainda estivesse frequentando um baile da Ilha Fiscal. O que aparentemente os seus ministros começaram a perceber, entretanto, é que este baile parece ser o seu último. Ao adiar nesta semana o julgamento que poderia reverter a prisão após a 2ª instância, Tóffoli demonstrou mais do que apenas explicou. Sem querer, tornou evidente que os outrora intocáveis são tocáveis, como numa verdadeira Democracia.

O STF tem se constituído na última trincheira das oligarquias. Todavia sua inexpugnabilidade trincou. E a sua capacidade de se manter imune à opinião pública fez água. Começam a perceber que o preço por arranhar a Constituição com o objetivo de defender os interesses de poderosos vai ficando muito caro. Pela primeira vez demonstram medo. Não do soldado e do cabo. Mas do povo!

renan02

Para se protegerem, convocaram algumas entidades para um ato de desagravo. Para surpresa de ninguém, as entidades que compareceram foram a OAB, agora presidida por um petista; a CNBB, cujo marxismo substituiu o cristianismo há tempos; e a FIESP, que só pensa naquilo, mais conhecido como “ganhar sempre”.

Neste domingo, uma multidão foi às ruas em várias cidades do país para colocar o pé na porta do STF. Os alvos desta mesma multidão já foram o Legislativo e o Executivo e agora a bola da vez é a Suprema Corte. Um bom conselho aos senhores ministros togados é que devem se cuidar, pois o povo já chutou o pau da barraca. Melhor não pagarem para ver!

Foi-se o tempo que a população não sabia votar, nem tinha condição para decidir o próprio destino. Felizmente esse tempo ficou para trás. Em parte porque a classe média, com mais acesso à informação, atualmente já compõe a sua maioria. Em parte porque a grande mídia já não mais controla a opinião pública.

Pesquisas recentes, sem exceção, têm reiteradamente comprovado que a sociedade não apenas sabe o que é melhor para o seu futuro. Mas também conhece o caminho do que é justo e correto. Não por acaso essa sociedade deseja, segundo os dados levantados, a manutenção da prisão após a condenação em 2ª instância e que Lula continue preso. Da mesma forma, aponta a Democracia como o melhor e único caminho a seguir.

Ainda sobre as pesquisas, além da afirmação de que Nazismo é de Esquerda ter sido condenada, ficou bastante claro que o assunto “Revolução de 64” deve tornar-se uma página virada. E, mais, que não vê com bons olhos, em assuntos de governo, as interferências dos 01, 02 e 03.

renan03

O futuro do país está agora nas mãos de quem de direito, o próprio povo. É um processo irreversível. E por isso a Esquerda não terá mais chance de retornar ao poder. Teve a sua e a desperdiçou, da pior forma possível. E por isso a Direita assumiu, podendo ficar no poder mais um ou dois ciclos, não mais do que isso. Novas e modernas maneiras de enxergar o país deverão assumir nos ciclos seguintes.

As oligarquias serão os próximos alvos. E sem a retaguarda dos Três Poderes, os seus dias estarão contados. A plena justiça social virá, entre outras ações, com a derrota final destas oligarquias, com a adoção de uma economia liberal, com o enfrentamento efetivo da criminalidade e com um inédito ensino de muita qualidade. Pela primeira vez a sociedade será a protagonista das mudanças de que precisa!

 

  • Todo domingo à noite um novo artigo. Acesse a homepage digitando “aonde vamos sociedade”.

3 comentários

  1. Concordo e coloco mais um ponto que é uma carência forte de nosso povo: a escolaridade. As oligarquias cerceiam o acesso à boa educação, pois fica mais fácil controlar o rebanho. Como seria forte um Brasil instruído, exercendo com eficiência a democracia direta que surge da participação nas redes sociais…

Deixe o seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s